19 junho, 2017

PASTORAL - As consequências da idolatria

PASTORAL - As consequências da idolatria 
No livro do profeta Habacuque encontramos esta severa advertência contra a idolatria. O contexto em que este livro foi escrito foi o da proximidade do cativeiro babilônico. Sendo Habacuque contemporâneo do profeta Jeremias.
Apesar do profeta ter escrito no mesmo contexto histórico do profeta Jeremias o gênero literário em Habacuque possui características distintas. Trata-se de um diálogo entre Deus e o profeta. Onde o mesmo faz indagações sobre os atos de Deus na história e procura compreender a sua sabedoria e desígnios soberanos. Poderíamos dizer que esta forma de redação “representava a voz dos piedosos de Judá que se esforçavam para compreender os caminhos de Deus.”[Bíblia de estudo NVI, introdução Habacuque, pág.1555]

O livro apresenta a seguinte estrutura literária: No capítulo 1:2-4 O profeta indaga sobre a situação de Judá, por que as orações dos justos aparentemente não são ouvidas? Por que os maus continuam a prosperar? A resposta vem nos versos subsequentes 1:5-11  

O Senhor vai levantar a Babilônia como instrumento de sua ira contra o pecado do seu povo, e como forma de disciplina. Novo questionamento do profeta é feito nos versos seguintes, 1:12-2:1 – Por que o Senhor que é puro e santo estaria se valendo de uma nação ainda mais pecadora e cruel que o próprio povo que ele pretendia castigar? O capítulo 2:2-30 visa responder esta questão. O Senhor se vale de Babilônia, uma nação idólatra, mas a mesma será depois castigada. O capítulo 3 apresenta uma oração do profeta em que ele exalta a majestade de Deus e expressa a sua máxima sobre a vida do justo. Ele viverá pela fé. 

No capítulo dois Deus condena a idolatria da Babilônia, e sobre esta reprovação podemos retirar algumas lições: 1-A essência da idolatria consiste em adorarmos a obra de nossas mãos. (v.18-19) Quando trabalhamos e produzimos alguma obra e a nossa confiança e devoção não se voltam para Deus, nos tornamos ingratos, nos tornamos idólatras. 2- A idolatria é uma espécie de embriaguez da alma que nos conduz a ruína e vergonha públicas. (v.15-17) Babilônia embriagava os povos e ela mesma se inebriava em sua maldade. 3- A busca do idólatra nunca é correspondida, quanto mais o idólatra possui mais vazio ele se torna. (v.4-5) Somente Deus, pode corresponder ao anseio mais profundo da alma humana. A idolatria é incapaz de satisfazer a sede da alma. 4- A verdade nunca pode ser silenciada, se a abafarem ela virá à tona por outros meios. (v.9-11) Até as pedras clamam quando a verdade é suprimida, mas Deus a fará vir a luz! 5-Se o idólatra não se arrepender, o Senhor o julgará, e ele receberá a recompensa devida por seus atos malignos. (v.17)

Conclusão: A base da idolatria é a ingratidão, as consequências são: ruína, vergonha, vazio na alma e embriaguez. A idolatria atrai a ira de Deus. Fuja da idolatria! Volte-se para Deus. Procure fazer o bem reconhecendo-O e glorificando-O por todas as obras que Ele te permitiu realizar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário