18 janeiro, 2016

QUEM É DAGON? OU QUANDO DEUS VENCE (SOZINHO) TODAS AS BATALHAS

Série: A trajetória da Arca da Aliança.

1 Samuel 5:1-12

Após a derrota humilhante da nação de Israel para os filisteus em Ebenezer, e da morte dos irmãos Hofni, Finéias e de seu pai Eli sacerdotes dentre o povo.  A retirada da Arca da Aliança símbolo da presença de Deus entre o povo que fora levada pelos inimigos. Israel viveu dura disciplina. Durante sete meses a arca permaneceu em território filisteu, até que pelas circunstâncias ocorridas neste período veio a ser devolvida pelo próprio conselho de anciãos dos filisteus de volta ao território israelita.

A vitória, não se deu devido a um contra-ataque israelita, ou algum outro empreendimento militar, também não foi resultante de um acordo diplomático celebrado entre as duas nações beligerantes. Esta vitória não foi o resultado da boa vontade da nação pagã, nem tão pouco fruto do arrependimento e fervor espiritual israelita. Pois os mesmos encontravam-se ainda sob a disciplina do Senhor.

Nesta vitória nenhum homem poderá ser lembrado, nenhum outro Deus poderá ser exaltado, nenhum empreendimento humano receberá por este feito o louvor. Nenhum outro poder poderá ser exaltado. Este foi o tempo em que Senhor sozinho venceu todas as batalhas.

Quando os filisteus venceram a batalha, levaram consigo a arca da aliança até Asdode uma de suas principais cidades. A arca foi colocada no templo de Dagon, ao lado de sua imagem, com o propósito de exaltar a Dagon pela vitória na batalha e desmerecer o Deus de Israel pela derrota. Dagon era provavelmente o Deus da agricultura considerado na mitologia cananéia, irmão de El, e pai de Baal responsável pelas chuvas e trovões e por abençoar a colheita do trigo na região da palestina.

Passada a primeira noite algo aconteceu no templo de Dagon, a sua estátua amanheceu prostrada perante a arca da aliança, do Deus de Israel. Novamente ela foi colocada no seu devido lugar. Na segunda noite novamente Dagon amanheceu prostrado perante a arca. Mas desta vez, sua cabeça e mãos estavam cortadas. Simbolicamente anulada estava sua autoridade e poder. Associado a este episódio, uma epidemia de tumores oriundos de uma infestação de ratos (peste bubônica) atacou os filisteus em Asdode gerando grande dano e desespero entre os habitantes da cidade.

De Asdode a arca foi enviada para Gate e lá os mesmos morticínios aconteceram, de Gate foi decidido enviá-la para Ecron e quando os habitantes de Ecron ficaram sabendo o desespero abateu os seus moradores, pois reconheceram que o mesmo Deus que libertara Israel dos egípcios no êxodo, agora estava enviando novas pragas contra os filisteus. Após reunirem o conselho dos anciãos das cinco principais cidades filistéias, Asdode, Gaza, Ascalon, Gate e Ecron com os seus sábios e sacerdotes uma solução surgiu: Devolvam a arca da aliança aos Israelitas! O parecer agradou a todos e eles tiveram que devolver a arca, com uma oferta pela culpa: cinco ratos de ouro, e cinco tumores de ouro. Reconhecimento de que aquelas pragas eram um juízo divino.

Diante deste quadro gostaria de compartilhar algumas reflexões. O Deus a quem nós servimos, não precisa de nós. Ele é Deus sem a nossa ajuda. Ele pode vencer sozinho toda e qualquer batalha e ele mais do ninguém zela pelo o seu próprio nome. Ele cumprirá as suas promessas por sua fidelidade, e saberá permanecer conosco mesmo que precise nos disciplinar. Ele sempre vai agir contra o mal e a injustiça. E encontrará meios de exaltar o seu próprio nome. Ainda que os nossos pecados levem pessoas a zombarem do nome de Deus. Deus se revelará comprometido com a sua aliança, e ele mesmo saberá restaurar a glória do seu precioso nome. Mesmo que ele permita que inimigos temporariamente tenham vitória sobre o seu povo, devido a uma disciplina. Mais adiante, ele saberá disciplinar o inimigo que atacou o seu precioso povo. Ele derrota os nossos inimigos. Em Cristo esta verdade se torna patente. Cristo sozinho venceu, o mundo, a carne, o Diabo e a morte. E ele mesmo é a vitória do povo de Deus. 

Pastor Manoel Delgado Jr.

Ver ainda:

Nenhum comentário:

Postar um comentário