18 março, 2016

QUATRO TESES PARA UM CONSERVADORISMO BRASILEIRO.

Não tenho pretensões político-partidárias. Particularmente estou satisfeito com a minha atuação no terceiro setor. Sou um ministro religioso e acredito na neutralidade institucional da igreja. Porém, acredito também que ainda falta no Brasil uma representação político-partidária de viés conservador forte e organizada. Longe de esgotar a discussão sobre o tema, muito ao contrário, na expectativa de inicia-la, apresento a seguir quatro teses iniciais que deveriam/poderiam estar numa alternativa conservadora.

Creio que estas quatro teses livrariam o conservadorismo de ser confundido com a proposta liberal ou com a proposta socialista. Sendo mero contra-peso nas eleições nacionais. 


1-   Defesa da constituição de 1988;
Defesa da pactuação social de 1988 como ponto de partida para a experiência democrática brasileira. Luta pela preservação das liberdades constitucionais garantidas por lei, e dos deveres do Estado brasileiro. Posição contra o progressismo legal e flexibilização dos direitos adquiridos. Abertura política a modelos de gestão eficientes e inovadores mas, desde que os direitos constitucionais sejam preservados. O conservadorismo brasileiro por defender a constitucionalidade não se oporia ao estado de bem estar social.


2-   Defesa da cosmovisão judaico-cristã, e de seus valores fundamentais como valores fundantes da sociedade ocidental.
O Estado é laico, mas a nação é majoritariamente cristã. Isto significa que a cosmovisão judaico-cristã é matriz cultural do povo brasileiro e deve ser respeitada. O que significa para nós a valoração da vida, defesa da família tradicional, busca da verdade por meio da ciência, filosofia e teologia. Reconhecimento da autoridade do Estado como divinamente instituído e racionalmente necessário.

Defesa da liberdade de culto, de proclamação da fé. Defesa das minorias, étnicas, religiosas e sociais ao mesmo tempo, em que entendemos que o Estado deve respeitar o ”modus vivendi” das amplas maiorias, sem interferir, ou alterar sua livre expressão. Uma política de direitos humanos, que defenda a vida desde a concepção e que valorize os deficientes, os idosos, as crianças, as mulheres e os mais vulneráveis socialmente com efetivos projetos de desenvolvimento e não meras políticas assistencialistas.

A compreensão de que a expressão dos valores cristãos na esfera pública não são nocivos a vida em sociedade, mas sim as bases de uma sociedade justa, democrática e que respeita os direitos humanos.

3-   Defesa da soberania nacional e segurança pública.
É preciso retomar a política de fortalecimento do exército, da polícia e das fronteiras. Combater o crime organizado e o narcotráfico, por meio da integração das forças policiais e cooperação internacional. Reestabelecer as alianças norte-sul, tendo os Estados Unidos como aliado estratégico e comercial no continente. Estabelecer nas Américas a integração, evitando tensões e eventuais conflitos no continente. 

Assumir o protagonismo internacional, na luta pela democracia e respeito aos direitos humanos ao redor do mundo. Promover em países de fala portuguesa uma parceria visando a promoção da cultura, educação e fomento na economia. Estabelecer sanções a países que não permitam liberdades civis e não respeitem direitos trabalhistas. Defesa da soberania nacional e proteção das fronteiras marítimas, terrestres e sobretudo das reservas legais, em especial a Amazônia brasileira.

4-   Defesa de uma reforma educacional.
É preciso uma ampla reforma educacional. Esta reforma educacional precisa ser no âmbito dos valores, currículos e competências. A família precisa voltar a ter protagonismo na formação dos valores e moral dos filhos, podendo inclusive optar pela formação educacional dos mesmos. Tal opção se dará no âmbito escolha das instituições educacionais, ou na adoção de políticas públicas que contemplem parcerias com instituições religiosas e filantrópicas a critério dos pais, ou comunidade, para auxiliar na educação moral e religiosa. O protagonismo dos pais no processo educacional precisa ser retomado como política de fortalecimento e valoração da família. 

Nas escolas é preciso voltar a exigir alto grau de investimento e qualificação dos professores estabelecendo metas, promovendo remuneração diferenciada e proporcional a qualificação e mérito. Os professores precisam ser valorizados e a infraestrutura das escolas precisa ser compatível com os padrões de excelência europeus.  O currículo precisa valorizar a matemática, e a gramática e os livros didáticos precisam valorizar a leitura dos clássicos. O ensino do inglês e espanhol deverão ser obrigatórios e a sua qualidade deverá ser compatível com os cursos ofertados escolas de idiomas particulares, em caso excepcionais, as mesmas poderão prestar serviço por meio de parcerias público-privadas. 

Os alunos deverão aprender constituição, serem capazes de ler e fazer resenhas críticas e qualificados para ocuparem posições nas mais elevadas esferas da sociedade conforme sua vocação. No ensino médio poderão optar por uma área de especialidade e possuir formação diferenciada com matérias optativas e aulas de reforço para a referida área de estudo. Todas as escolas de ensino médio serão convertidas em escolas técnicas. Sendo consideradas pré-universidades.  No nível universitário parcerias com as melhores instituições internacionais, para a melhoria e reforma do ensino universitário brasileiro e formação dos docentes. Podendo ser promovidos intercâmbios e a dupla-titulação. Parcerias público-privadas e ênfase na pesquisa e inovação. 

Em linhas gerais a reforma educacional levará em consideração a competência da família para a educação, a competência da escola e universidade para o ensino, e a competência do Estado para garantir constitucionalmente a formação integral do ser humano com vistas a cidadania.

Manoel G. Delgado Júnior

Se estas quatro teses, fossem o ponto de partida para um movimento conservador haveria o consenso mínimo? O que você manteria? O que você retiraria? O que você acrescentaria por considerar fundamental para o movimento conservador brasileiro? Que outras áreas ou teses deveriam ou poderiam ser consideradas?


07 março, 2016

BRIGAS CONJUGAIS: SUPERANDO CONFLITOS COM A PALAVRA DE DEUS.


BRIGAS CONJUGAIS: SUPERANDO CONFLITOS COM A PALAVRA DE DEUS.
Por Manoel G. Delgado Júnior. 

Dizem que em briga de marido e mulher ninguém põe a colher! Será mesmo? Creio que a Palavra de Deus tem princípios extraordinários para aqueles casais que desejam superar os conflitos e as tensões do dia a dia. 

Na epístola de Paulo ao Efésios no capítulo quatro versos dezessete a trinta e dois Paulo expõe as características da vida de um cristão redimido. Dentre os vários princípios destacamos quatro que se aplicam ao contexto dos relacionamentos de modo geral e do casamento de modo particular.

PROTEJA AS LINHAS DE COMUNICAÇÃO. Não devemos dar lugar ao diabo. Se tem uma coisa que o inimigo vai tentar fazer se tiver uma oportunidade é destruir as linhas de comunicação. Na guerra se um exército perde as linhas de comunicação ele perde a batalha. Graig Hill no seu famoso curso sobre casamento e família, o VEREDAS ANTIGAS, menciona uma experiência de briga conjugal bastante emblemático. Não me lembro da experiência detalhadamente, mas pelo que me recordo era mais ou menos assim: O Marido decidiu levar a esposa e os filhos para uma sorveteria muito cara, a mesma que a sua querida sempre mencionava, um desejo de consumo. Ele preparou então um convite especial entregou a sua amada e a levou até aquele belo local. A esposa maravilhada, se sentou e também seus filhos ali se aninharam para esperar o pedido. O marido considerando-se muito atencioso e com o propósito de agradá-la ainda mais pensou consigo mesmo: -Minha esposa é muito econômica, para não dizer pão dura! Creio que traze-la neste lugar tão caro foi uma ousadia. Ela pode estar preocupada com os preços elevados dos do cardápio. Vou agora pedir o sorvete mais em conta do local assim, ela vai saber que me importo com ela. Ele pede o item mais barato do cardápio. Ela se ofende profundamente pensando: -Então este é o valor que eu tenho para ele? Ele percebe que algo está errado no semblante dela, e acaba descontando nas crianças, ela por sua vez, defende as crianças, não demora uma briga acontece.

CUIDADO COM AS PALAVRAS. Devemos evitar palavras torpes, devemos falar para a edificação. Cuidado com uso de suas palavras. Cuidando com as afirmações que você faz do seu cônjuge. Substitua a acusação por eu me senti desta maneira, eu imaginei que isto poderia estar acontecendo. Palavras duras podem ser pedras atiradas nos vitrais da vida conjugal. Uma vez atiradas podem trazer um grande prejuízo. Por exemplo casais centrados na Palavra não mencionam o divórcio.

HONRE SEMPRE, COBRE DEPOIS, LEVE SEMPRE DIANTE DE DEUS. Casais inteligentes mesmo brigados continuam se honrando. Pois existe um princípio de respeito na instituição matrimonial. Não exponha para os outros as falhas de caráter do seu cônjuge, não faça piada de suas incoerências, futilidades e vícios. Honre em público, cobre no particular, apresente sempre diante de Deus em oração. Certa vez, nossos amigos se reuniram comigo e minha esposa, éramos recém casados. A Anna ainda não havia nascido. Os nossos amigos nos colocaram contra a parede dizendo: Não vamos mais sair com vocês! Por qual razão nós perguntamos? Eles disseram vocês brigam demais, se depreciam demais, não estão se respeitando. Se for para ser assim toda noite, nós não queremos mais sair com vocês. Não estávamos nos honrando, não estávamos nos respeitando. Estávamos totalmente errados. Graças a Deus alguém nos corrigiu!

PERDOE RAPIDAMENTE. Não deixe o sol se pôr sobre a vossa ira. Perdoe no mesmo dia! Restaure rapidamente. Não faça o jogo do silêncio. Lembre-se a noite mais longa da sua vida é aquela depois de uma briga sem reconciliação. Me lembro de quando era pequeno e os meus pais brigavam. Eles costumavam ficar sem se falar. Como eu era o caçula e ainda criança ficava no meio da guerra fria. Meu pai queria perguntar alguma coisa para minha mãe e dizia: - Júnior fala para a sua mãe que acabou o café! Minha mãe estava ali do lado eu tentava questionar... mas o meu pai me dizia: Eu já falei para falar para a sua mãe! E me voltava para a minha mãe e quando começava a falar ela gritava respondendo: - Eu não sou surda! E então prosseguia: - Diga para o seu pai que se ele quer mais café ele mesmo que faça... Quando um casal briga todos sofrem. Mas o casal sofre ainda mais. Busquem restaurar no mesmo dia. Perdoem rapidamente.



ACABE COM A MURMURAÇÃO OU ELA ACABA COM VOCÊ!


E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor. Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos. 1 Coríntios 10:10-11

O Senhor tem grandes promessas para o seu povo. Ao longo da história ele tem revelado o beneplácito de sua vontade, através de seus atos redentores. No Éden, nos dias de Noé, no chamado dos patriarcas, no êxodo. Tudo seguindo uma linha coerente, consistente, da auto proclamação de Deus. O senhor, nosso Deus é o Deus da aliança.

A revelação de Deus é orgânica e progressiva. O ápice desta revelação é Cristo, o mediador de uma nova aliança, o mistério oculto, agora revelado. Todas as promessas de Deus apontam para Ele. Ele é o cumprimento de todas elas.
Toda as histórias do povo de Deus são a nossa história. Todas as suas experiências nos dizem respeito. Pois através delas o Senhor exorta a nossa geração, a sua igreja, sobre quem já são chegados os fins dos séculos. (ICor.10:11)

Dentre estas exortações bíblicas Paulo (ICor.10:10) menciona o risco mortal que murmuração representa para o povo de Deus. Sua alusão é ao episódio do Êxodo, quando a nação de Israel murmurou contra o Senhor, e atraiu para si severa destruição. Ao ponto de naquela geração as promessas Deus não serem concretizadas. Por 40 anos a nação peregrinou pelo deserto e pereceu em disciplina, pela mão do Senhor.

O livro de Números registra um episódio em que a murmuração de dez dos doze príncipes da nação de Israel, enviados por Moisés para espiarem a terra de Canaã trouxe severas consequências. Estes 10 principes retornaram com um relatório desanimador, contaminado todo o povo, que por sua vez, murmurou contra o Senhor e contra Moisés, contra as promessas e livramentos do Senhor. Josué e Calebe os outros dois príncipes tiveram uma postura diferente, eles enxergaram as circunstancias sobre a perspectiva das promessas de Deus e foram os únicos daquela geração a alcançar a terra e herdando as promessas.

Mas o que é murmuração? Murmuração é uma postura de maldizer o propósito de Deus, zombar de sua graça e duvidar de suas promessas. É ridicularizar a sua liderança, sabedoria, bondade e favor. Murmuração é pecado dos lábios, é uso iníquo da influência e da língua dentro do povo de Deus. É a morte pala palavra. É contagiosa e pode trazer a destruição que vem de Deus. É maldosa pois pode incitar a sedição contra Deus e contra as ordenanças e lideranças estabelecidas por ele.

Como reagir a murmuração? Devemos fugir dela, confronta-la com uma atitude de fé. Impedir a sua difusão.

02 março, 2016

VLOGS - UM NOVO GÊNERO DE SERMÃO?


Vlogs - Um novo gênero de sermão?

Por Manoel Delgado.

Uma ferramenta muito eficiente para a proclamação do evangelho surgida nos últimos anos, associa uma arte milenar a uma forma de difusão contemporânea de comunicação e arte, trata-se dos Videologs Cristãos, ou como mais comumente são conhecidos, Vlogs de Mensagens Cristãs.

Este novo gênero de mensagem alia o sermão expositivo, derivado da retórica sacra às modernas técnicas de edição e vídeo. Estes Vlogs cristãos aliam características do Sermão as técnicas de edição e produção de cinema, publicidade e televisão. O resultado desta combinação é um novo gênero de comunicação em que as mensagens espirituais são comunicadas com o impacto, fluidez e a velocidade dos compartilhamentos da internet.

Os Vlogs Cristãos não são os sermões clássicos de 30 a 60 minutos. Mas são mensagens que variam 60 segundos a 15 minutos.  Se o tempo é reduzido, sua difusão e fixação é ampliada por modernos recursos de edição e compartilhamento.
Costumam ser feitos a partir da edição de mensagens gravadas em igrejas locais, ou a partir de produções especializadas para este fim. Associam o melhor da retórica sacra com o melhor da sétima arte.

São difundidos em redes sociais, e fidelizam expectadores pela criação de canais em sites como Vimeo e You Tube. Costumam abordar um único tema, o que favorece a fixação do conteúdo. Uma espécie de sermão de uma só divisão, ou de um só ponto.

Os pioneiros no formato foram os Pastores ROB BELL, com a série NOOMA[1] a primeira no gênero, seguido por outros pastores como Mark Driscol, Jhon Piper sendo que os Vlogs destes dois últimos, foram resultados das edições dos internautas cristãos, que difundiram trechos das mensagens nos cultos. Tais edições tiveram amplo sucesso.

No Brasil, existem alguns Vlogs feitos com muita eficiência e sucesso. Gradativamente este formato vem sendo assimilado pelos pastores e líderes eclesiásticos brasileiros. Dentre os Vlogs cristãos brasileiros podemos destacar o DA LETRA A PALAVRA, do Reverendo Hernandes Dias Lopes, TALMIDIN, do Pastor Ed Renê Kivitz, PNO - PERGUNTAR NÃO OFENDE, do Reverendo Augustus Nicodemus,  RELIGIÃO VERDADEIRA, Bispo Walter McAlisther dentre outros.

Que o Senhor possa usar esta ferramenta para sua honra e glória pela instrumentalidade de sua igreja.




[1] NOOMA foi feito com as técnicas de edição dos clipes musicais o efeito final do trabalho em termos edição e qualidade técnica é surpreendente. ROB BELL se envolveu em polêmicas doutrinárias e eclesiásticas e atualmente perdeu espaço em setores mais conservadores do meio evangélico. “NOOMA estreou em novembro de 2002. O último filme foi publicado julho de 2009. Vinte e quatro filmes diferentes foram criados, cada um com um tema diferente.”  

18 janeiro, 2016

QUEM É DAGON? OU QUANDO DEUS VENCE (SOZINHO) TODAS AS BATALHAS

Série: A trajetória da Arca da Aliança.

1 Samuel 5:1-12

Após a derrota humilhante da nação de Israel para os filisteus em Ebenezer, e da morte dos irmãos Hofni, Finéias e de seu pai Eli sacerdotes dentre o povo.  A retirada da Arca da Aliança símbolo da presença de Deus entre o povo que fora levada pelos inimigos. Israel viveu dura disciplina. Durante sete meses a arca permaneceu em território filisteu, até que pelas circunstâncias ocorridas neste período veio a ser devolvida pelo próprio conselho de anciãos dos filisteus de volta ao território israelita.

A vitória, não se deu devido a um contra-ataque israelita, ou algum outro empreendimento militar, também não foi resultante de um acordo diplomático celebrado entre as duas nações beligerantes. Esta vitória não foi o resultado da boa vontade da nação pagã, nem tão pouco fruto do arrependimento e fervor espiritual israelita. Pois os mesmos encontravam-se ainda sob a disciplina do Senhor.

Nesta vitória nenhum homem poderá ser lembrado, nenhum outro Deus poderá ser exaltado, nenhum empreendimento humano receberá por este feito o louvor. Nenhum outro poder poderá ser exaltado. Este foi o tempo em que Senhor sozinho venceu todas as batalhas.

Quando os filisteus venceram a batalha, levaram consigo a arca da aliança até Asdode uma de suas principais cidades. A arca foi colocada no templo de Dagon, ao lado de sua imagem, com o propósito de exaltar a Dagon pela vitória na batalha e desmerecer o Deus de Israel pela derrota. Dagon era provavelmente o Deus da agricultura considerado na mitologia cananéia, irmão de El, e pai de Baal responsável pelas chuvas e trovões e por abençoar a colheita do trigo na região da palestina.

Passada a primeira noite algo aconteceu no templo de Dagon, a sua estátua amanheceu prostrada perante a arca da aliança, do Deus de Israel. Novamente ela foi colocada no seu devido lugar. Na segunda noite novamente Dagon amanheceu prostrado perante a arca. Mas desta vez, sua cabeça e mãos estavam cortadas. Simbolicamente anulada estava sua autoridade e poder. Associado a este episódio, uma epidemia de tumores oriundos de uma infestação de ratos (peste bubônica) atacou os filisteus em Asdode gerando grande dano e desespero entre os habitantes da cidade.

De Asdode a arca foi enviada para Gate e lá os mesmos morticínios aconteceram, de Gate foi decidido enviá-la para Ecron e quando os habitantes de Ecron ficaram sabendo o desespero abateu os seus moradores, pois reconheceram que o mesmo Deus que libertara Israel dos egípcios no êxodo, agora estava enviando novas pragas contra os filisteus. Após reunirem o conselho dos anciãos das cinco principais cidades filistéias, Asdode, Gaza, Ascalon, Gate e Ecron com os seus sábios e sacerdotes uma solução surgiu: Devolvam a arca da aliança aos Israelitas! O parecer agradou a todos e eles tiveram que devolver a arca, com uma oferta pela culpa: cinco ratos de ouro, e cinco tumores de ouro. Reconhecimento de que aquelas pragas eram um juízo divino.

Diante deste quadro gostaria de compartilhar algumas reflexões. O Deus a quem nós servimos, não precisa de nós. Ele é Deus sem a nossa ajuda. Ele pode vencer sozinho toda e qualquer batalha e ele mais do ninguém zela pelo o seu próprio nome. Ele cumprirá as suas promessas por sua fidelidade, e saberá permanecer conosco mesmo que precise nos disciplinar. Ele sempre vai agir contra o mal e a injustiça. E encontrará meios de exaltar o seu próprio nome. Ainda que os nossos pecados levem pessoas a zombarem do nome de Deus. Deus se revelará comprometido com a sua aliança, e ele mesmo saberá restaurar a glória do seu precioso nome. Mesmo que ele permita que inimigos temporariamente tenham vitória sobre o seu povo, devido a uma disciplina. Mais adiante, ele saberá disciplinar o inimigo que atacou o seu precioso povo. Ele derrota os nossos inimigos. Em Cristo esta verdade se torna patente. Cristo sozinho venceu, o mundo, a carne, o Diabo e a morte. E ele mesmo é a vitória do povo de Deus. 

Pastor Manoel Delgado Jr.

Ver ainda: