12 março, 2012

Os passos do método exegético indutivo.



Os passos exegéticos na perspectiva indutiva e monográfica.

            De acordo com Antonia Leonora Van Deer Meer[1] existem três passos principais para o desenvolvimento do Estudo Bíblico Indutivo (EBI):  No EBI procura-se encontrar o que o autor quis dizer, e não impor os sentimentos próprios ou opiniões sobre o texto. [...] Há três passos básicos num estudo bíblico indutivo: a observação (descobrir os fatos dentro do texto); a interpretação (o significado destes fatos) e a aplicação (agir a partir das conclusões alcançadas), assim o estudo se torna dinâmico e as aplicações bem práticas.

            Douglas Stuart[2] em seu Manual de Exegese do Antigo Testamento apresenta 12 etapas para uma exegese completa, visando um trabalho monográfico, a saber: 1-Texto, 2-Tradução, 3-Contexto Histórico, 4-Contexto Literário, 5-Forma, 6-Estrutura,   7-Dados Gramaticais, 8-Dados lexicais, 9-Contexto Bíblico, 10-Teologia, 11-Literatura Secundária, 12- Aplicação.

            Cada tópico destes apresenta por sua vez, os seus subtópicos, mas por hora o que nos interessa e mostrar a relação entre estes dois métodos que apesar de distintos se complementam.
            Para tal apresentaremos um esboço onde esquematicamente se fará a correspondência entre os passos do método indutivo e do método exegético monográfico.
A’- Definição do Texto – A primeira observação que fazemos é que o método indutivo pressupõe o texto final acabado não contemplando assim os passos 1 e 2 do método exegético monográfico. 
1-Texto
1.1 Confirme os limites da passagem (perícope);
1.2 Compare as versões;
1.3 Reconstrua o texto, fazendo observações;
1.4 Coloque a poesia em forma versificada;
2-Tradução
2.1 Prepare uma tradução provisória do texto reconstruído
2.2 Verifique a correspondência entre o texto e a tradução
2.3 Revise a tradução à medida que continuar o trabalho
2.4 Faça uma tradução final

B’- Levantamento do Contexto O método indutivo não contempla em si[3] esta parte, embora pressuponha o seu conhecimento para os seus passos.
3-Contexto Histórico
3.1 Pesquise o pano de fundo histórico
3.2Pesquise o ambiente social
3.3 Pesquise o cenário histórico
3.4 Pesquise os aspectos geográficos
3.5 Determine a época da passagem
9-Contexto Bíblico (próximo e remoto)
9.1 Analise o uso da passagem em outras partes da Bíblia
9.2 Analise a relação entre a passagem e o restante da Bíblia
9.3 Analise a importância da passagem a compreensão geral da Bíblia[4]

 A – Observação (descobrir os fatos dentro do texto)
4-Contexto Literário
4.1 Examine a função literária
4.2 Examine a localização
4.3 Analise os detalhes
4.4 Analise a autoria
 5-Forma (Gênero Literário)
5.1 Identifique o tipo literário geral (gênero)
5.2 Identifique o tipo literário específico (forma)
5.3 Procure subcategorias
5.4 Sugira um contexto vivencial
5.5 Analise a integridade da forma
5.6 Esteja atento a formas parciais fragmentadas
 6-Estrutura (Diagramação)
6.1 Faça um esboço da passagem
6.2 Procure padrões de pensamento
6.3Organize estes padrões em ordem decrescente de tamanho
6.4 Avalie a intencionalidade dos padrões menores
6.5  Se a passagem for poética analíse-a como tal
 7-Dados Gramaticais (Análise Gramatical)
7.1 Analise os dados gramaticais relevantes
7.2 Analise a ortografia e a morfologia
 8-Dados lexicais (Palavras Chaves)
8.1 Explique todas as palavra e conceitos que não forem óbvios
8.2 Concentre a atenção em conceitos, palavras ou expressões-chave
8.3 Faça “estudos de vocábulos”
8.4 Identifique características semânticas especiais (ironia, hendíades, arcaísmos propositais...)

B- Interpretação (o significado destes fatos)
B.1 As implicações dos passos anteriores;
B.2 A construção do sentido original do texto. Sentido original é o significado da passagem a luz da intenção do autor original aplicada ao público original no seu contexto vivencial.
10-Teologia do texto
10.1 Localize a passagem teologicamente
10.2 Identifique os tópicos específicos levantados e resolvidos pela passagem
10.3 Analise a contribuição teológica da passagem
11-Literatura Secundária
11.1 Investigue o que outras pessoas disseram sobre a passagem
11.2 Compare e faça ajustes
11.3 Aplique as descobertas ao seu trabalho

C- Aplicação (agir a partir das conclusões alcançadas)
As duas metodologias propõem a aplicação em termos similares.  
12- Aplicação.
12.1 – Analise os assuntos que dizem respeito à vida
12.2 – Esclareça a natureza da aplicação (Informa ou orienta?)
12.3 – Esclareça as possíveis áreas de aplicação (fé ou ação)
12.4 – Identifique os ouvintes da aplicação
12.5- Determine as categorias de aplicação (pessoal, coletiva, social, econômico, religiosa, financeira...)
12.6- Determine a época a ser focalizada na aplicação
12.7 Esclareça os limites da aplicação (o que não pode ser feito)

Poderíamos ilustrar esta análise com o seguinte diagrama:



Considerações Finais
*Pode-se afirmar que o método indutivo é um método eficiente quando se tem previamente definido o texto e o contexto, sendo este o seu limite metodológico.
* Ambos os métodos distinguem o sentido do texto (interpretação) das suas múltiplas aplicações.
* Pode-se falar, em termos de simplificação de conteúdo e organização de material, em cincos passos para um método exegético indutivo, a saber: 1- Texto; 2- Contexto; 3- Observação; 4- Interpretação; 5- Aplicação.



[1]  VAN DEER MEER, Antonia Leonora, Estudo Bíblico Indutivo, ABU – Editora – Este método foi desenvolvido para estudos em Pequenos Grupos tanto evangelísticos, como de crescimento no contexto do evangelismo universitário tendo migrado para outros contextos como, por exemplo, as escolas dominicais, seminários teológicos, movimentos de células ou grupos familiares.
[2] STUART, Douglas & FEE, Gordon D. Manual de Exegese da Bíblia – Antigo e Novo Testamento, Ed. Vida Nova. 2008. - Gordon Fee apresenta em seu manual alguns passos específicos dependendo do Gênero Literário do NT. Mas esta análise extrapola o propósito desta disciplina por hora.
[3] No manual de EBI a Antonia Leonora van Deer Meer mencione estes itens no seu método, contudo eles não estão, por assim dizer, evidentes  no texto em si, sendo também necessário consulta a outras fontes ou perícopes da Escritura.  
[4] Este item poderia ser colocado no passo da interpretação mas para não retirarmos o mesmo do seu contexto o mantivemos aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário